Armadilhas para Arquitetura de TI

trap

Dentre as armadilhas que os Arquitetos podem “cair” a mais conhecida e amplamente abordada na literatura disponível sobre o tema é – One size fits all. Sobre esta armadilha, vou aborda-lá num post específico, pois dentre as armadilhas é a mais recorrente e na minha visão a mais perigosa de todas. Para ajudar neste aspecto na fase inicial dos projetos vale a referência da customização (tailor made) do framework (TOGAF) utilizado para alcançar a visão de arquitetura para o projeto.

É comum que o Arquiteto tenha bastante interação com as áreas de negócio e isto sem dúvida é muito positivo para ter um alinhamento de expectativas correto entre as necessidades de negócio e as entregas de TI, mas é comum que esta proximidade leve os arquitetos a acreditar cegamente nos requisitos levantados e a subestimar os NFRs(Non functional requirements) requisitos não funcionais. Criar um método padrão de avaliação e definição dos NFRs é uma metodologia amplamente aceita e realizada nas grandes consultorias de TI.

Não obstante os Arquitetos ainda podem se “esconder” atrás dos seus padrões. Como? Agindo apenas dentro dos padrões suprimindo o pensamento criativo tanto da própria área de arquitetura quanto dos demais atores da empresa. #burocratas-da-TI

De outra forma em outro extremo está no excesso de protagonismo e trabalhar demasiadamente isolado nos projetos. Por isso, é tão importante na fase de implementação do projeto (fase F) coordenar o esforço em conjunto com os demais frameworks de gestão da empresa (por ex. PMI e ITIL), isso ajuda a definir as responsabilidades e racionalizar os esforços.

 Por fim e não menos perigoso é deixar-se seduzir pela tecnologia ou por um fabricante específico, o ideal é ser agnóstico quanto a tecnologia e fabricantes. Com relação a este aspecto específico a definição de princípios arquiteturais na fase inicial do projeto ajudará a estabelecer as prioridade específicas de negócio e de resolução de conflitos entre os stakeholders e os arquitetos.

As citações de fases do processo de desenvolvimento de arquitetura são uma referência ao ciclo do ADM do TOGAF 9. Disponível no site do Open Group.

Alinhar as necessidades e expectativas do negócio com a TI. #think-about-it

fim
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *