Arquitetura e Governança de Telecom

telecom

Atualmente as empresas necessitam se conectar cada vez mais através de redes e sistemas, para ter acesso as informações ou suportar funções de negócio e assim capturar os benefícios advindos da comunicação rápida a todo momento e em qualquer lugar. Clientes, fornecedores e colaboradores conectados conseguem ser mais ágeis e gerar melhores resultados para as empresas, resultado este, que é o objetivo final de toda empresa, “Das Kapital“.

Neste cenário de crescimento tanto de TI quanto das Telecomunicações, é latente a necessidade de manter o controle dos ativos que respondem por estas novas funcionalidades num custo operacional adequado, reduzindo as variações desnecessárias na tecnologia, as quais produzem custos excessivos. Para isso é necessário melhorar os processos e administrar melhor a demanda por intermédio da Governança e Arquitetura de TI.

Um dos desafios que eu fiz quando comecei a escrever este Blog é propor algumas práticas de Governança e Arquitetura de TI para a área de TI e Telecomunicações com objetivo de reduzir o TCO (do Inglês, Total Cost of Ownership) custo total de propriedade dos recursos desta área.

Não há um framework específico para a área de Telecom, sendo necessário absorver conteúdos de outras áreas (ITIL, COBIT, ValIT) para melhorar a governabilidade deste setor. Segue abaixo um resumo das possibilidades encontradas na análise realizada neste post:

  • Redução do tempo de incidentes, paradas não programadas (outages) à quase zero,  ou tendendo a zero, paradas não programadas normalmente impactam o negócio e geram perdas financeiras, um exemplo recente que tivemos no Brasil foi a pane dos serviços de banda larga da empresa Telefônica, o Speedy, que além de causar a indisponibilidade de  diversos orgãos governamentais, o serviço ficou por vários meses impedido de ser vendido por uma resolução na ANATEL e do PROCON;
  • Encontrar o equilíbrio entre a necessidade de recursos por parte do negócio e a disponibilização dos mesmos por parte da TI;
  • Na melhor oferta de SLA por necessidade de negócio através do entendimento que para aumentar a disponibilidade fatalmente serão empregados mais recursos, quer sejam equipamentos ou pessoas, e estas variáveis impactam diretamente nos custos da TI que são assumidos pelo negócio;
  • Focar primordialmente em projetos de inovação com objetivos de redução de TCO e com retorno garantido, como por exemplo VoIP, LCR, TEM etc;
  • Modernizar tecnologias obsoletas que gerem custos excessivos.

Acredito que ainda há outras opções, um exercício mais elaborado do tema irá proporcionar novas possibilidades.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Paulo disse:

    Gostei bastante do post, vou usar na minha monografia, pode citar as fontes?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *