Como atribuir valor a sua rede utilizando da Lei de Metacalfe

A Lei de Metacalfe, colaboração e o fenômeno de conexão em redes.

Pode parecer papo de maluco,  de nerd – ou as duas opções. É possível saber o valor dos usuários conectados no conteúdo ou site da sua empresa? Ou o valor das curtidas, seguidas na conta corporativa ou no seu produto? Qual é o valor monetário justo resultante de conectar usuários, conteúdo, anunciantes e consumidores?

E na outra ponta da mesma duvida, há valor na colaboração dos usuário dentro da empresa? O efeito colaboração. É possível “valorar” isto ? Ou colaboração é apenas mais um BuzZWord??

Sei que não tenho todas as respostas, mas pelo menos tenho as inquietações…. E como já disse alguém, a dúvida é o preço da pureza, e é inútil ter certeza.

Não por acaso a teoria que nasceu para explicar o valor de uma rede é proveniente do setor das telecomunicações, sim! igualmente ao TOGAF e tantos outros frameworks esta teoria também é derivada da área de Telecom.  #telecomleadstheway

O que diz a “lei” de Metacalfe?

Ela afirma que o valor de uma rede é proporcional ao quadrado do número de usuários ligados do sistema. Entendeu? Continua lendo que eu vou exemplificar…

A teoria foi descrita pela primeira vez por George Gilder, em 1993, e por algum motivo (desconhecido para mim) esta teoria é atribuída a Robert Metcalfe, ex-pesquisador do centro de P&D da Xerox em Palo Alto – Califórnia, considerado como um dos “pais” do padrão de rede Ethernet. A hipótese mais provável é que ela foi atribuída a Metacalfe devido a aplicação direta em relação ao recurso de redes de computadores, em específico ao padrão Ethernet que é utilizado amplamente até os dias atuais. Enquanto o Sr. George Glider utilizou-se da mesma teoria para explicar um conceito muito etéreo para a época (redes sociais não digitais) e tão peculiar para nós na atualidade.

Exemplo da teoria:

Uma rede de 4² usuários tem um valor de 16 (metacalfes)

Uma rede de cinco usuários tem um valor de 5² = 25 (metacalfes)

Esta teoria tem sido utilizada para entender o valor – e tentar monetizar- redes sociais, imagine um único usuário não conectado a outros “amigos” utilizando o Facebook. A ferramenta neste exemplo torna-se inútil, mas o valor irá existir e com o acréscimo do número total de “pessoas” conectadas, isso acontece porque o número total de pessoas com as quais cada usuário pode trocar (enviar e receber) informações aumentará. Com este objetivo seria possível monetizar o valor da base autenticada de usuários, por exemplo: num portal de conteúdo.

Além do valor monetário é importante destacar que os usuários deste tipo de conexão social assimilam novas ideias e produtos a partir das comunidades virtuais e interesses comuns. Isso não é um ativo vendável? Nem todos os benefícios são quantificáveis, só o fato da marca estar reverberando exponencialmente irá impactar na divulgação na marca/produto e consequentemente afetará a monetização pelo aumento de visualizações de página e Adwords.

Voltando ao ambiente corporativo, além de entender quais são os impactos possíveis de fomentar a colaboração através de uma ferramenta nos moldes de um facebook corporativo (chatter/yammer/confluence e outros) é possível notar que a teoria do Metacalfe pode também ser utilizada para quantificar o valor de exposição de uma marca/site/entrada nos meios digitais, pois é fato que pela sua própria natureza de TI as redes sociais de fato seguem padrões pouco preditivos.

Gerar conhecimento e estabelecer a conexão com as marcas, esse é o caminho.

Myself

Segundo esta teoria a rede se comporta em geral, de tal modo que, quanto mais conexões são adicionados mais valiosa a rede se torna. Vejamos o caso da telefonia. Quanto mais telefones numa rede, mais valiosa ela é para anunciantes, fabricantes de Apps e telefones, patrocinadores e as operadoras de Telecom. O mesmo exemplo pode ser aplicado a Internet. Cada nova conexão seja um novo servidor ou usuário, as possibilidades de ganhar dinheiro se expandem para todos os que já estão conectados.

De fato acredito que não é possível determinar o valor de uma rede utilizando apenas a teoria de Metacalfe – mas entendo que esta teoria está em concordância com as altas e baixas das empresas de internet na NASDAQ. A decadência do MySpace é um bom exemplo, ele foi vendido inicialmente por 580 milhões de dólares * Recentemente o Myspace foi novamente vendido por 35 milhões de dólares, a queda no valor de mercado acompanhou a evasão dos usuários para utilizar o Facebook . Embora não explique o motivo pelo qual os usuários decidiram migrar – churn – de rede social, pessoalmente não acredito só no efeito “funcionalidades” uma web user interface mais friendly. Gostei de uma teoria de um colega da Cisco que conheci na última vez que fui a sede da empresa em São Francisco, a teoria dele é a seguinte:

Os jovens costumam migrar de rede social quando seus respectivos pais começam a integrar o círculo de amizades de seus filhos. Imagine só: a mãe comentando um post com cunho erótico ou um pai vendo a filha flertando com qualquer sujeito.

Será?

*fonte: g1

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmailby feather

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. André Haitzmann disse:

    Acredito que existam outras teorias que tentam valorar redes também, e antíteses a lei do Metacalfe. De qualquer forma gostei bastante da forma despojada e alegre que você utiliza, e os posts sobre a Alemanha são impagáveis, vou procurá-lo no face para trocar uma figurinhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *